Tamanho da letra A+ A-
 

NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO – NUAPE

 

O Núcleo de Apoio Pedagógico – NUAPE subordinado à Direção de Ensino tem por objetivo central, estabelecer as interfaces com as políticas de gestão acadêmica, de atendimento aos discentes e de relações com a comunidade por meio de ações que se alinham em direção à política de responsabilidade social da Instituição.

Para o exercício de suas funções regimentais, conta com uma equipe de tutores educacionais, que desenvolvem uma tarefa, sobretudo reflexiva, de pontuar e encaminhar situações que se constituem em desafios frente ao contexto de ensino superior.

Nessa direção, o Núcleo de Apoio Pedagógico – NUAPE volta-se para uma articulação reflexiva das ações educativas relacionadas ao planejamento, acompanhamento e avaliação frente às demandas inerentes ao processo ensino-aprendizagem. Assim, têm na comunidade acadêmica, as ferramentas prioritárias para desenvolver ações, colaborando, portanto, com a implementação das ações voltadas à viabilização do Projeto Pedagógico Institucional.

Dessa forma, o Núcleo de Apoio Pedagógico – NUAPE operacionaliza suas ações considerando as dimensões institucionais para as áreas de ensino, iniciação científica e extensão, mantendo estreita relação com os objetivos e metas da Instituição.

COORDENAÇÃO:
Profa. Esp. Maria “Vilani” Monteiro.

CONTATO:

telefone: 3215-8700 – Ramal: 8723

  • Iniciação Científica

    O Programa Institucional e Pedagógico de Iniciação Científica da FSA objetiva incentivar a pesquisa nos cursos de graduação da instituição nas áreas do conhecimento dos cursos da IES, visando proporcionar uma sólida formação acadêmica e profissional aos alunos da FSA e ainda oportunizar a vivência da pesquisa acadêmico-científica voltadas para o aprimoramento e a qualificação de profissionais nas diferentes áreas do conhecimento.

    OBJETIVOS ESPECÍFICOS DO PROGRAMA
    Produzir e socializar conhecimentos nas áreas de Educação, Ciências, Letras e Artes, Administração, Comunicação e Tecnologia, proporcionando análise científica dos problemas destas áreas no âmbito local, regional e nacional.

    Formar profissionais com visão crítica nas áreas de conhecimento dos cursos ofertados;

    Consolidar conhecimentos relativos às áreas dos cursos ofertados pela instituição, apreendendo a dinâmica das questões pertinentes às diferentes áreas, de modo articulado e inter-relacionado no processo ensino e aprendizagem e às experiências já consolidadas no exercício da profissão;

    Promover a análise crítica das questões emergentes no desenvolvimento acadêmico/profissional dos alunos;
    Aprofundar conhecimentos teóricos, teórico-práticos e práticos nas áreas dos cursos ofertados.

    Promover eventos para a divulgação e socialização dos resultados das pesquisas, em eventos internos e facilitar sua divulgação em eventos externos.

    O programa buscará articular conhecimentos adquiridos e construídos no exercício acadêmico e profissional, a partir de debates teóricos atuais, provenientes de estudos e pesquisas, relacionados às diferentes áreas do saber, articulando estes saberes no contexto geral de cada área específica, levando-se em conta a sua dimensão histórica, social ética e política.

    Metodologicamente o programa atende as recomendações do Parecer nº 1070/99 que trata dos critérios para autorização e reconhecimento de cursos de instituições de Ensino Superior, no que diz respeito às exigências da pesquisa e iniciação científica. A pesquisa na graduação é acadêmica e denominada no Parecer de práticas investigativas associadas ou não à extensão universitária, e devem ser parte integrante da formação dos alunos de graduação. No mesmo Parecer são consideradas práticas investigativas a pesquisa bibliográfica, estudos de caso, pequenos trabalhos de campo sob a orientação dos docentes, o trabalho em escritórios de advocacia associados aos cursos de Direito, trabalhos individuais ou coletivos de experiências em laboratórios os quais constituem procedimentos pedagógicos essenciais para o ensino de qualidade e para a formação adequada de futuros profissionais, sendo estimulados, tanto nas universidades quanto em outras instituições de ensino (Parecer 1070/99).

    Para realizar tal intento os trabalhos considerados como práticas investigativas devem ser pensados, estruturados e incluídos nos programas das disciplinas, como parte integrante e natural das seqüências de conteúdos planejados nas disciplinas dos cursos.

    Assim é importante que os professores de cada curso, a cada semestre, ao propor trabalhos individuais ou coletivos que exija tempo maior de duração, exija também o planejamento da pesquisa com pequenos projetos (projetos simples), uma vez que a prática de trabalhos individuais e coletivos com duração para além de uma semana de pesquisa bibliográfica ou de campo é comum nos projetos de cursos.

    Sabemos que este tipo de atividade se convenientemente conduzida é uma forma de trabalho útil e se constitui em verdadeira pesquisa discente, ajudando o aluno na sua trajetória acadêmico-intelectual.

    As atividades de pesquisa planejadas com o professor e orientada por ele, organizadas na forma de projeto, encaminhará o aluno a definir e delimitar problemas concretos, a examinar várias alternativas na solução destes mesmos problemas, a integrar diferentes áreas do conhecimento e aprofundar quadros de referências teóricas com mais segurança. Forçará também o aluno a realizar exercícios reflexivos em torno dos problemas a serem investigados, a aprofundar leituras da bibliografia correspondente, a confrontar dados com a realidade investigada para assegurar a análise de dados, a realizar entrevistas, a estruturar raciocínio e chegar a conclusões e apresentá-las em público de forma correta.

    Nesta perspectiva, os professores orientam os alunos no sentido de partirem de proposições teóricas para poderem confrontar dados, números, observações empíricas com a realidade investigada. Acreditamos que esta atitude investigativa é capaz de produzir impactos diretos sobre o desenvolvimento intelectual dos alunos, levando-os à autonomia intelectual.

    MAIS SOBRE ESSE ASSUNTO, ACESSE O NÚCLEO DE PESQUISA: NIP

  • Acompanhamento Psicológico | Discentes

    O Projeto de Acompanhamento Psicopedagógico será avaliado de forma processual, no desenvolvimento de suas ações por todos os participantes envolvidos.

    Durante o semestre letivo, à medida que as ações são desenvolvidas, os profissionais enviarão relatórios bimestrais de suas atividades à coordenação do NUAPE, para a formação de um banco de dados multidisciplinar. A partir da análise destes dados a equipe planeja ações de intervenção psicopedagógica e ações de replanejamento.

    No final do semestre letivo, os dados obtidos permitirão um planejamento eficiente e eficaz das ações do Projeto.

    O Núcleo de Apoio Pedagógico-NUAPE, atento a estas questões e a outras resultantes da avaliação do desempenho docente e discente, evidenciou a importância do desenvolvimento de ações de acompanhamento sistematizado da trajetória do  aluno de graduação da Faculdade Santo Agostinho.

    Neste sentido, o NUAPE propõe-se a atuar examinando e orientando os alunos em suas eventuais dificuldades no trabalho de aprendizagem. Para tanto, a FSA oferece a seus alunos o serviço de Acompanhamento Psicopedagógico desenvolvido pelo NUAPE com sua equipe de Pedagogos com especialização em Psicopedagogia. Participam também deste processo Coordenadores de cursos, Professores, Psicólogos e os parceiros institucionais, Serviço Escola de Psicologia- SEP e   Serviço de Ouvidoria.

    Nesta tarefa, o Serviço de Acompanhamento Psicopedagógico tem o importante papel a cumprir na busca de melhorias das relações de aprendizagem, assim como na melhoria da qualidade na construção da própria aprendizagem dos alunos, promovendo o seu desenvolvimento como aprendente e cidadãos integrais de um mundo em constantes transformações, capacitando-os a tomarem decisões sobre o seu itinerário acadêmico e formação profissional.

    O Serviço de Acompanhamento Psicopedagógico visa fortalecer a identidade do aluno através de ações que emanem do contexto de necessidades individuais, educacionais e sociais.

    Com este Serviço a Faculdade Santo Agostinho espera assegurar aos discentes uma trajetória acadêmica de sucesso e uma escolha profissional consciente e critica.

  • Nivelamento

    Na FSA, os índices de dificuldades de aprendizagem, face a pouca base do aluno para o ingresso no ensino superior, são preocupantes para uma IES que pauta sua atuação pela busca da excelência no ensino que oferece, bem como pelo profissional que forma. Assim, o desenvolvimento de um Projeto Institucional de Nivelamento – PIN é necessário e possível, dada a necessidade de se ampliar as formas de atendimento às peculiaridades do público-alvo, como de garantir a manutenção de um ensino de qualidade.

    Este Projeto objetiva promover um nivelamento inicial, através de disciplinas / cursos / oficinas pedagógicas, hoje não inseridas na Matriz Curricular dos Cursos de Graduação, buscando minimizar deficiências anteriores dos alunos, bem como dar suporte mais homogêneo e de qualidade, indispensáveis à apreensão de futuros conhecimentos – base de sustentação para a aquisição de novos conhecimentos científicos e a manipulação das novas “ferramentas” tecnológicas.

    Será feito um acompanhamento dos resultados através de relatório final, observando os resultados obtidos e o grau de influência dos mesmos, no desempenho acadêmico das disciplinas e na construção de competências, habilidades e instrumentos necessários à atuação profissional competente.

    Esse relatório será elaborado pelo professor ministrante da atividade de nivelamento e enviado ao NUAPE para acompanhamento e avaliação dos resultados do projeto.

  • Professor Online

    Caro(a) Professor(a):

    O NUAPE em seu papel de apoio pedagógico, ao criar esse novo veículo de comunicação, está disponibilizando alguns textos que podem lhe ajudar no planejamento de sua prática pedagógica na FSA.

    Por se tratar de sugestão, de modo geral, lembramos que em função da natureza de cada disciplina, dos conteúdos ministrados e ou habilidades esperadas, as sugestões desses textos necessitam ser adaptadas ao momento vivencial de sua disciplina e turma.

    Continuamos ao seu dispor para outros esclarecimentos que se fizerem necessários, ao tempo em que esperamos que lhes sejam úteis no sucesso de suas atividades.

    Em breve estaremos postando outros textos. Opine. Solicite. Colabore. Relate experiências positivas.

    Boa sorte!

    Textos para downloads abaixo:

    – Formulário para Projetos Finais

    – Modelo de Memorandos

    – Modelos Projetos Relatórios

    – Texto “O uso da Internet”

    – Orientações para Planejamento

    – Elaboração de Projeto de Pesquisa

    – Redação de Trabalhos Acadêmicos

    – Quadro Síntese de Atividades

    – Técnicas de Estudo

    – Trabalhos Acadêmicos Usuais

  • Acesso e permanência de alunos com necessidades especiais

    A Faculdade Santo Agostinho (FSA), a partir do novo paradigma de sociedade inclusiva que resgata os pressupostos da educação como uma nova forma de educar, mantém permanentemente um programa que colabora com a inclusão dos alunos com necessidades educacionais especiais, em todos os níveis de ensino. Tal programa está em consonância com a Constituição Federal (artigo 208, III),  com a Lei de Diretrizes e Bases da Educacional Nacional (Lei 9.394/96), com o Parecer CNE/CEB nº 2/01, de 11 de setembro de 2001,  com as Diretrizes Nacionais para a Educação Especial e com a Lei nº 10.098 de 19/12/2000, que em seus artigos estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas com deficiências ou com mobilidade reduzida e dá outras providências.

    Os colaboradores da FSA com alguma deficiência têm o ambiente de trabalho adaptado às suas necessidades

    Políticas de Inclusão Social da Faculdade Santo Agostinho
    A FSA tem, como instituição de ensino superior, adotado em suas práticas acadêmicas ações que viabilizem a inclusão dessas pessoas a uma educação superior de qualidade como um direito à cidadania, respeitando suas necessidades de acessibilidade físicas e cognitivas, não apenas com a eliminação de barreiras arquitetônicas, tecnológicas e de mobiliário, mas, ensejando também, a busca de soluções pedagógicas que permitam diferentes percursos de aprendizagem em currículos adaptativos.
    A partir desse norteamento, a FSA tem realizado ações para o atendimento aos educandos com necessidades especiais, conforme disposto no Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2016 a 2020, item 8, relativo à Política de Inclusão Social.Em setembro de 2015, a Faculdade Santo Agostinho recebeu o Selo Empresa Acessível categoria Ouro. O selo é concedido pela Secretaria Municipal do Trabalho, Cidadania e Assistência Social, Conade – Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência e Instituto Comradio do Brasil, e atesta a qualidade do trabalho realizado pela FSA no que diz respeito à acessibilidade e inclusão. No período de maio a setembro de 2015, empresas de diversos setores, se candidataram para receber o selo. Durante o processo, as empresas passaram por avaliações que incluíram análise documental e verificação de suas instalações, respeitando o marco legal sobre a Lei de Acessibilidade vigente no Brasil. O selo é válido por dois anos, quando será feita nova avaliação.

    • Aluna da FSA usa os equipamentos da Sala de Apoio Especializado dotada de materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade e equipamentos dotados de tecnologias assistivas.Aluna da FSA usa os equipamentos da Sala de Apoio Especializado dotada de materiais didáticos, recursos pedagógicos e de acessibilidade e equipamentos dotados de tecnologias assistivas.

    Políticas de Inclusão Social da Faculdade Santo Agostinho
    A FSA em consonância com essa nova realidade, e no sentido de assegurar o compromisso com seus princípios, filosóficos e legais afirmados no Plano de Desenvolvimento Institucional, tem realizado ações para o atendimento as pessoas com deficiência, conforme disposto no Plano de Desenvolvimento Institucional – PDI 2016 a 2020 – Item 8 – Política de Inclusão Social.
    Como forma de atender ao disposto nos documentos Institucionais, citados anteriormente, a FSA desenvolve diversas ações de promoção da acessibilidade nas suas várias dimensões conforme detalhado a seguir:

    Acessibilidade arquitetônica – adequação dos espaços físicos, contemplando acessos e circulação de pessoas com necessidades especiais, especialmente deficientes visuais e usuários de cadeiras de rodas, com: portas no tamanho padrão, rampas de acesso a todos os ambientes, elevadores, banheiros adaptados, instalação de Piso tátil, placas de identificação em braile, rebaixamento de balcões e maior disponibilização de vagas para pessoas com necessidades especiais no estacionamento da instituição.

    Acessibilidade Atitudinal – No sentido de promover o respeito aos direitos das pessoas com deficiência, a FSA realiza eventos para fins de sensibilização e conscientização, junto a sua comunidade, no sentido de se perceber o outro sem preconceito, estigma, estereótipos. Um exemplo de eventos com essa finalidade foi a realização do espetáculo do grupo Os Inclusos e os Sisos – Teatro de Mobilização pela Diversidade, em 2011, trabalhando a temática da inclusão das Pessoas com Deficiência, via a Escola de Gente, coordenada por Claudia Werneck, que esteve presente na apresentação. Ela falou ao público sobre a importância do envolvimento de empresas no projeto de acessibilidade. Outra ação foi à realização, em parceria com o Instituto Comradio, no dia 31 de maio de 2012, do evento O Dia De Olhar Para A Cidadania, com o tema “Mobilidade Urbana Inclusiva e Sustentável: uma cidade para todos”, com a participação de lideranças políticas, entidades, associações e alunos da FSA. Ainda em 2012, o projeto “Um Olhar para a Cidadania”, desenvolvido pela Comradio do Brasil e apoiado pela Faculdade Santo Agostinho desde 2011, foi certificado como Tecnologia Social do Branco do Brasil, que consiste numa metodologia voltada para soluções de problemas sociais. O projeto, que pretende por meio da comunicação, empoderar as pessoas com deficiência visual, para que eles, sem a necessidade de mediação, pautem, debatam e provoquem reflexão na sociedade sobre os seus deveres e direitos. Em 2014, as aulas do projeto “Um Olhar para a Cidadania”, que profissionaliza cegos a atuarem no rádio, começaram a ser realizadas na própria FSA.
    Em 2015 e 2016, a FSA desenvolveu a Campanha Educativa Dê espaço a cidadania, com a implantação de ações com objetivo de contribuir no desenvolvimento da consciência política de inclusão, visando à superação de barreiras atitudinais frente a esse público, e ainda, para assegurar a acessibilidade física de modo a garantir a locomoção e a utilização dos espaços comuns da FSA, com autonomia e segurança.
    A campanha foi desenvolvida por meio da divulgação das informações utilizando panfletos, banners, faixas e visitas a todas as turmas da Instituição.
    Acessibilidade Pedagógica – é assegurada por meio de formação continuada dos professores visando qualificá-los para uma atuação docente na perspectiva da inclusão, possibilitando assim, uma atuação de métodos e estratégias pedagógicas especificas no atendimento dos estudantes com necessidades especiais, e com a implantação do atendimento educacional especializado que ocorre em um espaço físico adequado, com mobiliário, materiais didáticos, equipamentos específicos e recursos pedagógicos e de tecnologia assistiva, que colaboram com estratégias que eliminem barreiras, possibilitando ao estudante o desenvolvimento de sua aprendizagem e favorecendo sua plena participação nas atividades acadêmicas. Em 2011, de 02 a 04 de agosto, os gestores, coordenadores de curso e professores discutiram a questão em um de seus encontros pedagógicos, que tinha como tema a Gestão Pedagógica na Perspectiva da Inclusão Social, onde a questão das pessoas com necessidades especiais foi debatida.

    Acessibilidade nas comunicações – a FSA como forma de eliminar as barreiras de comunicação, desenvolveu ações a citar; capacitação dos colaboradores em curso de libras básico, aquisição de acervo bibliográfico em áudio para os estudantes com deficiência visual, impressora de braille e instalação de placas informativas em código braille em todos os ambientes da Instituição.

    Acessibilidade digital
    – no sentido de possibilitar este tipo de acessibilidade a FSA providenciou: a instalação de software (virtual vision) com sintetizador de voz, disponíveis em computadores da sala de apoio especializado, na biblioteca e nos laboratórios de informática, aquisição de monitor ampliado para os alunos com visão sub normal, instalação de equipamento de gravação que é utilizado para aplicação de provas de aluno com deficiência visual que não tem conhecimento do código Braille e disponibilização de lupa eletrônica.

    Materiais Didáticos, Equipamentos e Recursos Pedagógicos e de Acessibilidade
    • Computador com monitor ampliado
    • Apoio de leitura em madeira
    • Vídeo ampliador portátil
    • Reglete de mesa
    • Punção
    • Lupa manual
    • Calculadora Sonora
    • Suporte para livro (Plano Inclinado)
    • Softwares para comunicação alternativa (Virtual Vision, Dos Vox)
    • Impressora Braille
    • CD em áudio (Direito)
    • Mobiliário Adaptado
    • Mesa com recorte, ajuste de altura e ângulo do tampo